Sem clientes, sem dinheiro e sem tecto: a prostituição também sofre com a Covid-19

Com a saúde em risco e a crescente escassez de clientes, profissionais do sexo lutam pela sobrevivência face à ameaça que constitui a pandemia da Covid-19. Paralelamente, as plataformas de pornografia registam um aumento de visualizações por parte de quem fica em casa.

Pamela (nome fictício), prostituta de 46 anos, vive em Toulouse, França. Quando não trabalha na rua, tem de viajar para se encontrar com os clientes. Há mais de duas semanas que não trabalha, desde que o país fechou as fronteiras para impedir a disseminação do vírus. Apenas viagens essenciais são permitidas . “As solicitações não deixaram de existir completamente”, explicou à agência AFP. Contudo, “comparando uma multa de 135 euros a 50 euros de um cliente”, a profissional prefere ignorá-las, mas se o cenário resistir acredita que as suas economias não vão ser suficientes. “Vou ter que correr riscos”diz. “Mesmo que tenha dois clientes por semana, pagaria pelo menos a comida”. No caso de prostitutas que já são mães, a situação agrava-se.

A agência francesa avança que os poucos profissionais do sexo registados como trabalhadores independentes não podem reivindicar o apoio de 1500 euros prometido pelo Governo aos trabalhadores independentes para compensar a queda de atividade provocada pelo surto. No sentido de dar resposta às suas necessidades, algumas iniciativas de angariação de fundos começaram a surgir no meio digital. A partir da página “tapotepute” (sua prostituta amiga), foram recolhidos cerca de 10 mil euros para ajudar pelo menos 30 trabalhadores do sexo. Os que continuam a trabalhar foram aconselhados pelo STRASS (Sindicato do Trabalho Sexual) a “evitar contacto com a saliva” ou “qualquer posição sexual cara a cara”.

À semelhança do que acontece em França, o ato da prostituição em Portugal também não é considerado ilegal. Contudo, muitos trabalhadores do sexo, mulheres e homens, lutam pela descriminalização total, isto é, para que a profissão seja vista como outra qualquer, com sindicatos e todas as regalias sociais (como Segurança Social, seguro de saúde, vistos de trabalho para trabalhadores migrantes, locais de trabalho seguros, sem proxenetas e geridos pelos próprios trabalhadores sexuais).

A possibilidade de estes profissionais ficarem sem abrigo por falta de pagamento da renda ou pelo encerramento de alojamentos locais também preocupa alguns coletivos portugueses, entre os quais o Movimento dxs Trabalhadorxs do Sexo (MTS). “Os que nos contactaram a pedir ajuda já estão nas várias dezenas e aumentam todos os dias” diz Margarida Maria, que também ajudou a organizar uma campanha de angariação de fundos a nível nacional “para ajudar quem foi mais afetado pela pandemia, e que se encontra nas situações mais precárias e marginalizadas” como migrantes, transgénero, mães/pais, com problemas de saúde e em estado de habitação vulnerável.

Na quarta-feira passada, foi enviada uma carta aberta à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, onde eram solicitadas “medidas extraordinárias de apoio”, alertando para a iminência de se atingir um “ponto crítico”. “Atesta-se uma dificuldade severa na obtenção de rendimentos ou de meios de subsistência, bem como no recurso a modelos alternativos de trabalho” tais como o teletrabalho e as “webcams”. O documento foi redigido com a participação das associações Rede de Trabalho Sexual (RTS), A Coletiva e Grupo de Partilha D’a Vida.

Aumento do consumo de pornografia

Depois de fornecer acesso gratuito ao seu conteúdo “premium” em Itália, França e Espanha para incentivar as pessoas a ficarem em casa, como forma de evitar o contágio do novo coronavírus, o Pornhub alargou a oferta para todo o mundo até 23 de abril. A ação faz parte da campanha “StayHomehub”, com o intuito de contribuir para uma maior adesão ao distanciamento social

De acordo com a plataforma de conteúdos pornográficos, à medida que cada vez mais pessoas se submetem a quarentena, bem como ao teletrabalho, manifesta-se um aumento substancial na atividade da página. Aproximadamente 120 milhões de pessoas consomem diariamente os conteúdos disponíveis. Num dia, houve um aumento 5,7% maior do que o habitual, com preferência pela parte da manhã.

Numa publicação, a empresa também revelou que as pesquisas com a palavra “coronavírus” apareceram pela primeira vez a 25 de janeiro e continuaram a crescer, atingindo um registo de quase sete milhões nos últimos 30 dias.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *